sexta-feira, 23 de dezembro de 2011

FELIZ NATAL! SUPER 2012!





A todos os que seguem The Advertiser, um FELIZ NATAL e um SUPER 2012!

CADD - Christmas is just around the corner

Srs. e Sras. automobilistas, tenham juízo nas cabecinhas!

quinta-feira, 22 de dezembro de 2011

Torke worldwide



O sonho de qualquer agência é ter um escritório em vários países. A Torke já atingiu este objectivo e demonstrou-o de uma maneira muito porreira, postando no seu facebook fotos tiradas no mesmo dia dos escritórios de Lisboa, São Paulo e Istanbul.

quarta-feira, 21 de dezembro de 2011

terça-feira, 20 de dezembro de 2011

segunda-feira, 19 de dezembro de 2011

O Pai Natal prefere Nova Açores

Imagem retirada daqui.

quinta-feira, 15 de dezembro de 2011

quarta-feira, 14 de dezembro de 2011

McDonalds - open 24 hours

terça-feira, 13 de dezembro de 2011

Volume de vendas das "100 Maiores" cresce 6.8%


"O conjunto das "100 maiores Empresas dos Açores" em 2010 foi responsável por um volume de vendas de 2,879 milhões de euros, o que corresponde a um crescimento de 6.8% face ao conjunto do ano anterior, avança a revista "100 Maiores Empresas", propriedade da Açormédia.


Naquele ano, o resultado líquido obtido pelo conjunto das "100 Maiores" atingiu os 42 milhões de euros, uma quebra de 6 milhões face ao mesmo conjunto de 2009 e menos 20 milhões relativamente a 2008. No final de 2010 trabalhavam 15.554 pessoas no conjunto das empresas do "ranking" divulgado pela Açormédia."

Fonte: Açoriano Oriental de 13 de Dezembro de 2011.


Respira-se confiança no meio empresarial açoriano. Bom sinal.



segunda-feira, 12 de dezembro de 2011

Marcas dos Açores apostam no Facebook


"Há duas características (entre outras tantas) que fazem das redes sociais na Internet, de que é exemplo o Facebook, a plataforma mais desejada para a comunicação entre anunciantes e (potenciais) compradores de determinado produto ou serviço: experiência e interactividade. Para trás fica a publicidade no sentido unidireccional e a passividade do segmento da população a quem é dirigida a mensagem. Hoje, os seguidores dos perfis e comunidades criadas em torno das marcas e empresas na plataforma online são críticos, interessados (podem optar por não estar expostos à mensagem) e autênticos "embaixadores da marca" junto da rede de contactos. A mensagem propaga-se em diferentes direcções. Com mais ou menos ambição, investindo mais ou menos capital, as empresas açorianas, também elas, não deixam de marcar presença na rede. Aliás, "as redes sociais são já parte integrante daquilo que se chama 'new media' e é uma ferramenta que em muitos casos permite comunicar sem custos de uma forma muito directa com o público-alvo", nota o Director de Marketing da BeeBrand. Mas é fundamental, alerta Nuno Melo, alimentar os perfis das empresas - e os contactos a eles associados - com conteúdos próprios, numa lógica interactiva e pertinente para a marca e acima de tudo para o público.

A relação com o (potencial) cliente
COm 18500 seguidores, o grupo SATA está presente no Facebook desde 14 de Setembro de 2010. Um ano e alguns meses depois, a certeza: "uma empresa, hoje, não pode optar por não estar presente nas redes sociais", admite José F. Gamboa do gabinete de comunicação da transportadora aérea regional. "Estará sempre presente nos comentários e publicações que os seus clientes fazem nas suas páginas pessoais. [...] É o próprio cliente que, hoje em dia, cria e divulga informação sobre empresas tornando-se num elemento fundamental na divulgação da imagem de uma marca", diz. Ainda assim, cabe aos gestores ou responsáveis de comunicação encontrar a estratégia adequada para comunicar com os clientes. Efectivos ou potenciais. Embora sem serviços específicos para os seguidores, a página da SATA na mais famosa rede social em actividade tem desenvolvido "vários passatempos que premeiam os nossos seguidores mais atentos e criativos". Na prática, não é mais do que atender à necessidade de imprimir "algum carácter relacional à estratégia de comunicação", de que fala Nuno Melo, tendencialmente efectivada num modelo de comunicação horizontal. E não vertical. Gamboa reconhece que o Facebook é, de resto, "um meio privilegiado para conhecer melhor os nossos clientes, as suas ambições, expectativas e desejos e oferecer-lhes, ao mesmo tempo, um espaço onde possam deixar as suas sugestões [...] e ter acesso rápido e simples às últimas novidades e promoções da empresa".

Experiências que criam valor e marca
O retorno de um investimento "em tempo e trabalho na busca de uma estratégia adequada às especificidades do público e linguagem presentes neste meio", admite Gamboa, é sempre garantido quanto mais não seja porque ajudam "a definir uma marca com personalidade própria junto dos clientes". Nuno Melo alerta que "ainda é complicado mensurar ou aferir a resposta no consumo de uma marca presente no Facebook. Caso a marca accione simultaneamente outras variáveis de comunicação torna-se ainda mais difícil isolar e perceber qual das variáveis foi responsável por uma dada resposta no consumo de um dado bem ou serviço". Apostada em desenvolver conteúdos que criem "níveis de engagement com os consumidores, de uma forma que é diferente da natureza da comunicação tradicional", a Bensaude Turismo Hotéis contabiliza 1750 seguidores. "No entanto, conseguimos chegar a uma audiência potencial de amigos/fãs superior a 509 mil pessoas, com uma média semanal de visualizações na ordem dos 4300", diz Maria Rego, do gabinete de comunicação da empresa que realça o facto de "podermos chegar ao contacto com pessoas de destinos tão remotos que, de outra forma, seriam totalmente impossíveis de atingir". O elemento diferenciador está diagnosticado: " o Facebook é para falar 'com' o consumidor e não 'falar' ao consumidor", conclui."

Fonte: Açoriano Oriental, 12 de Dezembro de 2011.


Artigo muito interessante. Os comportamentos do consumidor actual estão a mudar e o Facebook é de facto uma ferramenta essencial para comunicar com este "novo consumidor", pelo menos até aparecer uma nova tendência no campo do 'new media'. Mas ide explicar isso ao empresário açoriano. Uuuuiiiiii. Podemos afirmar, com toda a certeza, que cerca de 80% dos empresários açorianos são ignorantes no que toca a publicidade, comunicação ou marketing. Pelo que se vê por aí chega-se facilmente a esta conclusão. Continuam a não confiar estes serviços a quem realmente percebe do assunto e gostam sempre de por o seu dedo, o que complica muito o desenvolvimento de bom trabalho nestas áreas. Se a maioria das empresas açorianas aposta deficientemente em meios convencionais como a imprensa ou outdoor, pode-se afirmar que o Facebook poderá ser considerado "areia a mais para os camiões dessas mesmas empresas". Um dos erros crassos mais visto é o facto de muitas empresas açorianas criarem páginas de "amigo" quando devem avançar para uma página empresarial com pés e cabeça. Mas também é bom ver que certas marcas açorianas, com grande notoriedade, já apostam nesta plataforma. Se o fizerem bem, o boca-a-boca gera-se e isso, certamente, reflete-se positivamente nas vendas dos seus produtos ou serviços. Mas que não usem o Facebook para jogar Farmville, como fazem algumas empresas no mercado açoriano.

Viagra - Unleash The Beast

sexta-feira, 9 de dezembro de 2011

terça-feira, 6 de dezembro de 2011

segunda-feira, 5 de dezembro de 2011

TOK & STOK - Card

sexta-feira, 2 de dezembro de 2011

Mulher de Capote - Café ou Caramelo?

Imagem retirada daqui.